Educação do sono

 

 

 

 

 

Antes do passo importante de ensinar o seu bebé a dormir, consulte a nossa secção sobre Dormir - O Sono do Bebé.

 

A educação do sono dos 3 aos 6 meses

 

A partir dos 3-4 meses até aos 6 meses ocorre, na maioria dos bebés, o processo de consolidação do sono e a convergência com o ritmo circadiano das 24h. Nesta fase, é especialmente importante ensinar ao seu bebé as rotinas do sono:

 

1. Devem manter-se as regras de conduta dia/noite referidas na secção Dormir - O Sono do Bebé. De dia, interaja e estimule o bebé; não permita mais do que 2-3 sestas/dia e não mais do que 3 horas seguidas, evitar sesta de mais de 1h após o lanche.

2. Após a última refeição, brincar com o bebé por um breve período. Evitar televisão.

3. Se possível, colocar o bebé no berço ensonado, mas ainda acordado, para adormecer sozinho. Se, na fase anterior, utilizava o método de adormecimento no colo ou a amamentar, poderá ainda ter necessidade de o(s) utilizar nesta fase.

4. Se o bebé ainda não dorme com um boneco/peluche, este é o momento certo para o oferecer. Pode ser um já existente, mas agora passará a ser o “amiguinho” do seu bebé apenas durante o sono (o bebé vai associar o boneco ao sono)

5. Iniciar a música do móbil (se o tiver)

 

 

Educação do sono a partir dos 6-7 meses

 

A partir dos 6-7 meses a maioria dos bebés adquire naturalmente o ritmo circadiano das 24h no que se refere ao sono! No entanto, é relativamente frequente isto não acontecer – o bebé continuar com vários múltiplos acordares nocturnos e de adormecimento difícil – sobretudo se não tiverem sido cumpridas as regras anteriores. Se for esta a sua situação, não desespere. O que o seu bebé precisa é simplesmente de uma ajuda extra para que o seu organismo “engate” no ritmo circadiano das 24h.

 

Não se esqueçam que, como já foi referido anteriormente, dormir adequadamente é um processo importante para o desenvolvimento cognitivo, da memória e do sistema nervoso do bebé.

 

Ser pai implica também a responsabilidade de agir no melhor interesse do filho, mesmo que este não o compreenda no momento. Saliento estes aspectos porque educar um bebé a dormir não é um processo fácil para os pais. O bebé vai utilizar as estratégias que tem ao dispor – chorar, gritar e até vomitar – para tentar demover os pais e manter os velhos hábitos, porque não tem capacidade para compreender que é para o seu bem.

 

A ciência tem estudado dois métodos na educação dos bebés/crianças em relação ao sono:

1. Sem assistência. Este método rompe bruscamente com a dependência do bebé ou criança em relação aos pais para adormecer. A partir de determinada noite, os pais colocam o bebé/criança sonolento (mas ainda acordado) no berço/cama a uma hora definida, ignoram as chamadas do bebé/criança, e só voltam ao quarto pela manhã ao acordar, à hora definida.

2. Assistência gradual. A partir de determinada noite, os pais colocam o bebé/criança sonolento (mas ainda acordado) no berço/cama a uma hora definida. Os pais regressam ao quarto às chamadas do bebé/criança mas a intervalos progressivamente maiores, até este adormecer.

 

Existe evidência que a aplicação de um método de educação para o sono resulta em melhores hábitos de sono nas crianças/pais, melhor rendimento escolar (nas crianças mais velhas) e menor probabilidade de depressão nos pais.

 

Em relação a efeitos adversos, estudo recente que avaliou eventuais efeitos prejudiciais em 225 crianças às quais lhes foi aplicado um dos métodos a partir dos 7 meses, com seguimento até aos 6 anos de idade. O estudo não encontrou qualquer efeito negativo, quer na saúde ou no comportamento dos pais ou crianças, quer para o método “sem assistência” quer para o método “assistência gradual”.

 

O método “sem assistência” é muitas vezes considerado inaceitável pelos pais. Alguns estudos (mas não todos) identificaram um aumento da hormona “cortisol” (a hormona do stress) na saliva dos bebés ou crianças durante a aplicação deste método, mesmo não estando a chorar.

 

O método “assistência gradual” permite uma transição mais suave de uma situação não aceitável (dormir inadequadamente) para uma situação ideal, o que pode ser mais aceitável para alguns pais. A dependência parental para o adormecer vai sendo diminuída gradualmente sem que a criança sinta abandono (os pais nunca deixam de ir ao quarto, ainda que possam deixar o bebé/criança chorar por um longo período). Para que este método tenha sucesso, é necessária uma grande motivação e cooperação entre os pais e cuidadores para as várias regras.

 

Para os pais que preferiram o método de assistência gradual para educarem o bebé a dormir, vejam a próxima secção.

 

 

Ensinar o seu filho a dormir

 

Pese embora as vantagens científicas na educação em dormir adequadamente (para os pais e bebé/criança), não existe propriamente um “guião de regras” validado na ciência. Ou seja, até à presente data não existe nenhum estudo que prove que um determinado guião é melhor que outro. O que deve prevalecer é o bom senso e a individualidade de cada bebé ou criança.

 

O que apresentamos de seguida é uma proposta de regras de conduta para a aplicação do método de assistência gradual que, tirando as condições prévias, pode não ser levado à letra e adaptado a cada caso.

 

O bebé/criança deverá ter mais do que 6-7 meses para que possa compreender o método de educação do sono. Quanto mais longe for dos 6-7 meses mais difícil será a aplicação do método não só porque o bebé/criança sabe usar melhor as suas “armas” para demover os pais, mas também, no caso dos mais crescidos, existem outras capacidades como colocarem-se em pé no berço/cama.

 

As regras importantes:

 

1. De dia, interaja e estimule adequadamente o bebé;

2. Sestas: não permita mais do que 2-3 sestas/dia; nenhuma sesta deverá prolongar-se mais que 3 horas seguidas; evitar sesta após o lanche com mais que 1 hora;

3. De dia, as refeições e as sestas devem ter horários fixos (não necessariamente rígidos, mas não variando mais que meia hora entre os dias). Um bebé ou criança funciona melhor com regas e a aprendizagem do sono começa também por aqui;

4. Definir uma noite para o início da aplicação do método. Essa noite deve corresponder a uma hora para dormir (por exemplo, entre as 20h30 e as 21h30) e essa hora será a partir dessa noite sempre respeitada (não variar mais que 20-30 minutos entre os dias);

5. O bebé/criança deve estar física e psicologicamente saudável no momento do início da aplicação do método (sem doença aguda ou outra situação emocional que possa interferir);

6. Pai e mãe (e todos os coabitantes com responsabilidades na prestação dos cuidados ao bebé) devem ter as mesmas regras;

7. Pai e mãe (e todos os coabitantes com responsabilidades na prestação dos cuidados ao bebé) devem preparar-se mentalmente para não ceder ao bebé/criança;

8. Após a última refeição (jantar), ter um período, nem que seja breve, de dedicação exclusiva ao bebé/criança (sugestão: meia hora). Evitar televisão ou outras actividades estimulantes. Sugestão: ler uma história.

9. Junto ao berço/cama, oferecer ao bebé/criança um boneco/peluche (pode ser um dos que o bebé já tenha) que permanecerá com ele no berço/cama (o ) e dar-lhe um nome.

 

Existem várias opções que os pais podem seguir para a aplicação deste método. Um dos mais conhecidos é o conhecido Método Estivill do cientista e pediatra espanhol homónimo. 

 

Estes métodos têm em comum a aplicação de uma gradualidade no tempo em que deixa a criança sozinha a chorar até ser capaz de dormir sozinha sem assistência. Tenha um relógio consigo. Quando coloca o bebé no berço, abandone o quarto e deixe-o sozinho por 1 ou 2 minutos. Volte ao quarto e tranquilize-o por uns breves momentos mas sem pegar no bebé. Repita este procedimento 2 ou 3 vezes. Depois vá espaçando. Vá aos 3 minutos. Depois aos 4, aos 5 aos 10, sempre até adormecer. Na segunda noite, inicie o procedimento começando com um intervalo de tempo maior que no início da noite anterior (por exemplo, 4 minutos) e vá espaçando com bom senso até adormecer. Em média, 2 ou 3 noites são suficientes para o bebé aprender a dormir sozinho.

 

 

REFERÊNCIAS

1. Ferber, R., Solve your child's sleep problems. Simon & Schuster, 1985. New York.

2. Estivill, E. Método de Estivill - um guia rápido para os pais ensinarem as crianças a dormir. Dom Quixote, 2007.