Erupção dentária

 

 

 

 

 

1ª Dentição (dentes de leite)

 

Existe grande variabilidade na idade de erupção dentária, já que este processo é regulado por centenas de genes diferentes!

 

A erupção dos primeiros dentes é, habitualmente, simétrica, com o dente da esquerda e o da direita a aparecerem no mesmo período temporal. Habitualmente, os incisivos mandibulares (inferiores) são os primeiros a surgir, em média entre o 6º e o 10º mês. Os incisivos superiores aparecem depois, seguindo-se os incisivos laterais, primeiros molares, caninos e segundos molares, em ordem sequencial.

Em alguns bebés, a erupção dos primeiros dentes acontece mais tarde, não havendo por si só razão para alarme até ao 18º mês.

 

Uma 1ª dentição saudável (ver imagem abaixo) tem as seguintes características: dentes muito brancos com superfície lisa, espaçamento entre os dentes (vai permitir espaço para o aparecimento dos dentes definitivos mais tarde) e as gengivas devem ter coloração rosa, firmes e imóveis.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se o primeiro dente não aparecer até aos 18 meses deverá procurar um especialista em dentição.

 

Habitualmente, a primeira dentição fica completa por volta dos 30 meses de idade e consiste em 20 dentes: 8 incisivos, 4 caninos e 8 molares.

No seguinte esquema pode encontrar a idade média de aparecimento da 1ª dentição:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cáries

 

O aparecimento de cáries antes dos 5 anos é um processo infeccioso transmissível e resulta em deterioração rápida da peça dentária e eventual queda, se não tratado. Nesta idade, as cáries são particularmente virulentas, proliferando rapidamente para toda a cavidade oral podendo causar destruição de muitas peças dentárias.

 

sinal mais precoce de cárie dentária precoce (antes dos 5 anos) é o aparecimento de manchas brancas (tipo giz). Nesta fase, o processo ainda é reversível com o início de tratamentos dentários. 

 

 

REFERÊNCIAS

1. Pediatrics, A.A.o., A Pediatric Guide to Children’s Oral Health. Elk Grove Village, IL, 2009.

2. Suri, L., E. Gagari, and H. Vastardis, Delayed tooth eruption: pathogenesis, diagnosis, and treatment. A literature review. Am J Orthod Dentofacial Orthop, 2004. 126(4): p. 432-45.

3. Ramos-Jorge, J., et al., Prospective longitudinal study of signs and symptoms associated with primary tooth eruption. Pediatrics, 2011. 128(3): p. 471-6.

4. Macknin, M.L., et al., Symptoms associated with infant teething: a prospective study. Pediatrics, 2000. 105(4 Pt 1): p. 747-52.

5. Saúde, D.-G.d., Escovagem dos dentes - como fazer? Programa Nacional de Saúde Oral, 2007.

6. Pahkala, R., A. Pahkala, and T. Laine, Eruption pattern of permanent teeth in a rural community in northeastern Finland. Acta Odontol Scand, 1991. 49(6): p. 341-9.

7. Kochhar, R. and A. Richardson, The chronology and sequence of eruption of human permanent teeth in Northern Ireland. Int J Paediatr Dent, 1998. 8(4): p. 243-52.

8. Nystrom, M., et al., Emergence of permanent teeth and dental age in a series of Finns. Acta Odontol Scand, 2001. 59(2): p. 49-56.