Curvas de crescimento e percentis - O que são?

Última revisão deste tema: 27/12/2015

Partilhe nas redes sociais:

 

 

 

 

O desenvolvimento da estatura e peso de uma criança é uma das avaliações mais importantes na consulta de saúde infantil. Se já reparou no livrinho de saúde infantil, esta avaliação – peso, altura ou comprimento e perímetro cefálico – faz-se através de curvas de crescimento![1, 2]

 

Estas curvas de crescimento são derivadas da Organização Mundial da Saúde (OMS) que, através do estudo do crescimento de mais de 8 mil de crianças alimentadas a leite materno em todo o mundo, construiu as curvas de evolução do crescimento (peso, altura/comprimento e perímetro cefálico) previsíveis para 95% das crianças saudáveis (entre os percentis 3 e 97) do sexo feminino e masculino. O objetivo destas curvas é avaliar se o crescimento da criança está a ocorrer da forma prevista

 

O importante a reter é que todas as curvas – do percentil 3 ao percentil 97 – correspondem a crescimentos ideais e saudáveis e traduzem as variações normais na população humana. Ou seja, é tão saudável evoluir no percentil 3 como no percentil 50 ou no 97. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quadro I. Quais são os sinais de alerta?

O mais importante na avaliação dos percentis é a evolução ao longo do tempo, em especial, a mudança de percentis e a relação entre eles:

 

- Se, ao longo do tempo, uma criança ou bebé descer ou subir de percentis, sobretudo, cruzando 2 percentis num curto espaço de tempo, é importante excluir causas externas. Alguns problemas e doenças podem manifestar-se por variações abruptas na evolução de um ou mais parâmetros. O cruzamento de dois percentis num curto espaço de tempo é, pois, um sinal de alarme e deve ser investigado. Por outro lado, o cruzamento de 1 percentil, tanto para cima como para baixo, na maioria das situações não se associa a nenhum problema.

 

(NOTA: o facto de um recém-nascido estar num determinado percentil não quer dizer obrigatoriamente que crescerá sempre na curva desse percentil. É relativamente comum um bebé subir gradualmente de percentil, ao longo de um intervalo longo do tempo. É o caso típico dos bebés prematuros ou de outros bebés que, por uma razão ou outra, tiveram um baixo peso ao nascer e que, gradualmente, convergem para os seus percentis de crescimento)

 

- A relação entre os vários percentis (especialmente o do peso com o do comprimento/altura) é também avaliada nas consultas. Por exemplo, o mais expectável é que a evolução da altura se acompanhe com uma evolução correspondente do peso. Discrepância entre estes dois pode significar desadequação no aporte nutricional. 

 

 

Consulte os restantes temas da nossa secção Bebé Manual de Instruções para saber mais sobre "como funciona" o seu bebé!

 

 

REFERÊNCIAS

1.  Ministério da Saúde, Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil. Norma nº 010/2013 de 31/05/2013, 2013.

2.  Das, M.K., N. Bhattacharyya, and A.K. Bhattacharyya, WHO child growth standards. Eur J Pediatr, 2010. 169(2): p. 253-5; author reply 257-8.

 

UM EXEMPLO PRÁTICO

Imaginemos o João Bebé com 2 meses de idade e pesando 5kg.

 

Se formos à curva do crescimento do peso para meninos dos 0-5 anos (ver gráfico ao lado), verificamos que se encontra no percentil 15 do peso.

 

O que isto significa é que, em média, 15% dos bebés rapazes saudáveis com esta idade pesam igual ou menos que o João Bebé.

 

Se, imaginemos, o João Bebé estivesse no percentil 50, significava que 50% dos bebés rapazes com a sua idade pesariam igual ou menos que ele.