Chupeta - o seu uso no bebé, vantagens e desvantagens

Última revisão deste tema: 27/12/2015

Partilhe nas redes sociais:

 

 

 

A sucção é um reflexo automático dos fetos e recém-nascidos que, de modo geral, utilizam as mãos e os dedos para este fim. As chupetas foram desenvolvidas para satisfazer esta necessidade comportamental dos recém-nascidos. Tidas como puramente benéficas até ao início do século XX, desde então alguns grupos têm manifestado algumas reservas em relação à sua utilização.

 

 

Quais são as VANTAGENS de usar a chupeta?

1. Prevenção da morte súbita. Existe evidência sólida deste benefício e independente de outras medidas (como deitar de barriga para cima ou amamentar com leite materno). Uma revisão recente da Academia Americana de Pediatria concluiu que existe um efeito protetor da chupeta em relação à morte súbita, se oferecida nos primeiros meses de vida – uma morte pode ser evitada por cada 2733 bebés que usem chupeta antes de dormir (inclui sestas).[4] Existem várias hipóteses para este efeito protetor, entre as quais se incluem o aumento do estado de alerta, maior atividade do sistema nervoso autonómico, posição mais anterior da língua, aumento do tónus muscular respiratório e capacidade de respirar pela boca em caso de obstrução nasal.

 

2. Diminuição do hábito de sugar nos dedos. O uso de chupeta reduz a presença sistemática deste comportamento que, habitualmente, é mais difícil de ser parado.[5]

 

3. Analgesia. Em certos procedimentos (vacinas ou pequenas intervenções no serviço de urgência), o uso de chupeta está associado a impacto no alívio da dor e menor tempo de choro.

 

4. Menor probabilidade de doenças alérgicas. Um estudo publicado muito recentemente (2013) na prestigiada revista Pediatrics identificou uma associação significativa entre o hábito dos pais limparem a chupeta na boca e um menor risco de desenvolvimento de asma e eczema atópico.[6] Os autores explicam esta associação pela estimulação imunológica do bebé ao receber a flora microbiana da saliva dos pais.

 

5. Melhores resultados em bebés pré-termo. Em bebés pré-termo (nascidos antes do tempo), o uso de chupeta ainda no hospital está associado a menor duração de internamento, transição mais rápida para a dieta oral e melhores resultados no aleitamento por biberão.

 

 

Quais são as DESVANTAGENS de usar a chupeta?

1. Interferência com o leite materno. Nas primeiras semanas de vida, o uso de chupeta associa-se a maior probabilidade de insucesso no aleitamento materno. No que diz respeito à duração do aleitamento materno (exclusivo ou não) não há evidência conclusiva sobre este assunto – há estudos que encontram uma associação adversa (o uso de chupeta associou-se a período menor de aleitamento materno) mas outros estudos que não encontraram qualquer associação.[7, 8]

 

2. Saúde oral. O uso de chupeta para além dos dois anos de idade está associado a problemas dentários (especialmente defeitos no posicionamento dos dentes e não oclusão da arcada dentária).

 

3. Infeções e otites. O uso de chupeta está associado a uma maior probabilidade – entre 20 a 30% - de infeção no ouvido (otite) e, quando estas ocorrem, de recorrências.

 

 

HIGIENE e outras regras de utilização

Não existem propriamente regras ou recomendações rígidas nesta área. No entanto, podem-se sugerir algumas recomendações de bom senso:

 

1. Mantenha-a limpa! Na fase inicial da vida do bebé (especialmente importante no primeiro mês de vida) o ideal será esterilizar as chupetas em água a ferver diariamente. Após este período inicial, deve imperar o bom senso. Se necessário, poderão optar por passar por água quando cai ao chão e lavar diariamente com água e sabão pelo menos uma vez por dia (especialmente importante até aos 6 meses de vida).

 

2. Substitua a chupeta regularmente. Leia atentamente o rótulo da embalagem da chupeta e siga as recomendações do fabricante em caso da existência de prazo de validade. Inspecione diariamente a chupeta com cuidado. Substitua a chupeta sempre que encontrar evidência de dano (fendas, fissuras ou buracos) no látex ou silicone.

 

3. Não mergulhar a chupeta em sumos ou doces para tranquilizar o bebé. Este hábito associa-se a deterioração e queda dos dentes de leite.

 

4. Opte pelo uso regrado da chupeta. Tente não dar imediatamente quando o bebé chora. Reserve-a sobretudo para momentos-chave (adormecer, acalmar cólicas…). Evite que o uso da chupeta se torne num hábito.

 

 

REFERÊNCIAS

1. Adair, S.M., Pacifier use in children: a review of recent literature. Pediatr Dent, 2003. 25(5): p. 449-58.

2. Martinez Sanchez, L., et al., [Pacifier use: risks and benefits]. An Esp Pediatr, 2000. 53(6): p. 580-5.

3. Sexton, S. and R. Natale, Risks and benefits of pacifiers. Am Fam Physician, 2009. 79(8): p. 681-5.

4. Hauck, F.R., O.O. Omojokun, and M.S. Siadaty, Do pacifiers reduce the risk of sudden infant death syndrome? A meta-analysis. Pediatrics, 2005. 116(5): p. e716-23.

5. Zadik, D., N. Stern, and M. Litner, Thumb- and pacifier-sucking habits. Am J Orthod, 1977. 71(2): p. 197-201.

6. Hesselmar, B., et al., Pacifier cleaning practices and risk of allergy development. Pediatrics, 2013. 131(6): p. e1829-37.

7. O'Connor, N.R., et al., Pacifiers and breastfeeding: a systematic review. Arch Pediatr Adolesc Med, 2009. 163(4): p. 378-82.

8. Howard, C.R., et al., Randomized clinical trial of pacifier use and bottle-feeding or cupfeeding and their effect on breastfeeding. Pediatrics, 2003. 111(3): p. 511-8.

USAR ATÉ QUANDO?

 

A Academia Americana de Pediatria e a American Family Physician emitiram recomendações que se encontram resumidas no seguinte quadro:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em conclusão, clinicamente não há nenhuma razão que justifique o uso de chupeta após os 6 meses de idade.

 

O uso de chupeta claramente não está recomendado a partir dos 24 meses.

 


 
TIPOS DE CHUPETA

Quanto à FORMA:

 

Convencionais. As clássicas, em forma de “gota”.

 

Anatómicas ou ortodônticas. Mais recentes, estas adequam-se de forma mais natural à cavidade oral e podem ser mais apelativas ao bebé. Este tipo de chupeta não tem demonstrado vantagens inequívocas em relação às outras no que diz respeito aos riscos para problemas dentários ou outros inconvenientes das chupetas.

 

 

Quanto à CONSTITUIÇÃO:

 

Látex. Têm a vantagem de serem mais flexíveis e por isso podem ser mais apelativas ao bebé. No entanto, têm a desvantagem de serem menos duráveis e mais suscetíveis ao dano pelos dentes dos bebés mais crescidos (que podem arrancar pedaços). Reações alérgicas ao látex, embora raras, também podem acontecer.

 

Silicone. De modo geral mais resistentes, mais inócuas e fáceis de lavar, menos susceptíveis à acumulação de bactérias e fungos.