Ambliopia e estrabismo

 

 

 

 

 

A ambliopia é um problema do desenvolvimento da visão num olho que é estruturalmente normal.

 

É muito frequente?

Pode atingir 1-5% das crianças, sendo mais frequente nos prematuros, leves para idade gestacional, com familiares de 1º grau com ambliopia ou nas crianças com atraso de desenvolvimento psicomotor.

 

Quando surge?

Pode surgir desde o nascimento até cerca dos 10 anos, sendo a sua progressão mais rápida quanto mais precocemente surge. Se não for tratada precoce e adequadamente, o défice visual pode tornar-se permanente.

 

Existem vários tipos de ambliopia?

 

Sim. Existem três tipos principais de ambliopia (ver também texto ao lado):

 

1. Estrábica. A mais frequente. Deve-se a um defeito no alinhamento ocular. Todas as crianças podem ter algum grau de estrabismo (“trocar os olhos”) e ter um "olho preguiçoso" nos primeiros meses de vida, resolvendo até aos 6 meses. No entanto, é sempre anormal quando:

           - o estrabismo é fixo (sempre presente) mesmo desde o nascimento, ou

           - intermitente (surge em determinadas alturas do dia, por exemplo quando está a tentar fixar um objecto) após os 4-6 meses,

Nestas duas situações a criança deverá sempre ser avaliada em consulta de oftalmologia. É importante iniciar o tratamento antes dos 2 anos.

 

2. Por privação. Mais rara. Deve-se à ausência ou comprometimento da estimulação luminosa do olho pela existência de lesões palpebrais que impeçam a correta abertura do olho ao nascimento (tumores oculares, ptose palpebral - pálpebra superior parece “descaída”,…) ou alterações que impeçam a passagem da luz (catarata - opacidade da córnea; leucocoria – nas fotos um dos olhos fica amarelo em vez de vermelho; glaucoma – opacidade ou córnea grande). Importante tratar antes das 12 semanas de vida.

 

3. Refrativa. Deve-se a uma capacidade refrativa (a nossa capacidade visual) muito baixa ou diferente nos dois olhos. É importante iniciar tratamento antes dos 6-7 anos, podendo ser ainda possível recuperar parte da função até cerca dos 12 anos.

A reter

A ambliopia é um problema do desenvolvimento da visão exclusivo da infância e que pode ser tratado apenas nessa altura.

 

Quanto mais cedo for detectada melhor probabilidade da criança vir a ter uma capacidade total da visão.

 

Todas as crianças devem ser avaliadas quanto à sua capacidade visual até aos 4 anos, se não houver sinais de alarme mais cedo.

Ambliopia por estrabismo. Quando o estrabismo ("trocar os olhos")  persiste para além dos 6 meses ou quando é fixo (mesmo após o nascimento) deve ser sempre avaliado por oftalmologia. O tratamento passa por privar, por uns tempos, o olho são da visão (imagem à direita), para que o olho "preguiçoso" possa ser estimulado pelo córtex cerebral e recuperar. É importante iniciar tratamento antes dos 2 anos para evitar perda irreparável de visão nesse olho.

Ambliopia por privação. Como referido no texto, acontece quando existe uma lesão que impede ou limita a entrada de luminosidade no olho. Esta lesão pode ser externa ou interna, como a catarata congénita (imagem à esquerda, olho esquerdo) ou o retinoblastoma (imagem à direita, olho direito). As lesões internas são despistadas pelo médico através da avaliação do reflexo vermelho que é facilmente obtido com um oftalmoscópio. Importante tratar antes das 12 semanas de vida para evitar perda irreparável de visão nesse olho.

Ambliopia refractiva. É importante avaliar a capacidade refrativa (visão ao longe) das crianças ainda antes da idade escolar. Existem escalas com símbolos (como a escala de LEA da imagem cima) que permitem fazê-lo em consulta a partir dos 3-4 anos. É importante iniciar tratamento antes dos 6-7 anos.